Em busca do caminho

Pe. Haroldo J. Rahm, SJ

Julho com Inácio de Loyola

Oitavo dia

Um revés afastou Inácio do mundo, e no isolamento do seu quarto de doente Deus o chamou, cumulando-o de luzes e de graças. Permitiu que os livros que estavam à sua disposição fossem justamente aqueles que formariam, em grande parte, a sua espiritualidade.

A pessoa admirável de Cristo e a generosidade dos santos o atraíram de modo extraordinário. Fascinado pela beleza de Cristo, quis colocar-se a seu serviço, vendo nele o líder forte e influente, por quem tantos santos haviam tudo deixado e lutado com valentia.

Com sua índole de cavalheiro conquistador, que sonhara grandes feitos para ganhar as honras e aplausos do mundo, fez-lhe impressão o heroísmo dos santos, a dificuldade do serviço a prestar, e logo lhe nasceu o desejo de fazer grandes coisas pelo Senhor a quem resolveu dedicar-se.

Foi aí que chegou à experiência do discernimento espiritual. Os sonhos e projetos que o ocuparam em sua forçada inatividade eram contraditórios. Como seguir a Cristo, seu Rei, com total entrega, e ao mesmo tempo obter os favores do mundo e de uma dama da corte? Era preciso optar, analisar os dados à luz de Deus. A graça venceu e ele optou por Deus.

Nasceu-lhe então o desejo de se assemelhar a Cristo, tomá-lo como modelo e realizar grandes coisas para o secundar em sua obra de redenção. Como? Ainda não sabia. Era preciso começar por penitenciar-se do passado, do tempo perdido a serviço do mundo e do erro. Só assim estaria preparado para o serviço do seu Rei.

A luz se faria aos poucos. Tantas vezes na vida vamos tateando, esperando que a vontade de Deus se manifeste mais clara. O essencial é a decisão de nada recusar. E era a de Inácio. Uma bala o derrubara e fora prostrado como Paulo. Como ao Apóstolo, também lhe seria dito o que devia fazer (At 9,6).

Deus não deixa as suas obras inacabadas, não retira os seus dons, a não ser que seja repelido. Em cada um de nós também ele deseja realizar uma obra maravilhosa. E através de nós realizar grandes coisas. Tantas vezes começamos com ardor e com entusiasmo, sobretudo após momentos de maior fervor, de graças mais sentidas. Mas… chegado o tempo da prova, da escuridão, esmorecemos. Pensamos que, afinal, não temos vocação para o heroísmo.

A verdade é que todos temos a vocação para a santidade. E esta pede heroísmo, talvez o do dever abnegado e obscuro de cada dia, vivido no amor.

Senhor,
quero seguir-te de perto em cada circunstância da vida.
Dá-me a generosidade dos teus santos.


RAHM, Haroldo J. Inácio de Loyola: um leigo de oração. São Paulo: Loyola, 1989. 68 p. p. 21-22.

JULHO COM INÁCIO DE LOYOLA

Início | Introdução
123456789101112
13141516171819202122
232425262728293031

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: