Sustento na noite escura

Ana Maria Andreazza

Sempre soube que queria ser mãe. Mesmo antes de casar, já pressentia esse amor maternal, já desejava e sonhava com nossos filhos! Nos votos de matrimônio, ambos expressamos o desejo de gerar e receber, no amor, os nossos filhos, e criá-los para que fossem inteiramente si mesmos, pessoas de “pé”.

Desde o namoro, fazíamos um caminho de autoconhecimento e busca espiritual, e ao longo da nossa história, desde nossas experiências em grupos de jovens, metodologia PRH (Personalidade e Relações Humanas), espiritualidade inaciana com a CVX (Comunidades de Vida Cristã), caminho com o Eneagrama… Foram muitos mergulhos profundos, em tempos de imersão em silêncio, oração e vivências…

Então, essa realidade da maternidade/paternidade foi crescendo e se consolidando em nós. Em mim, de uma maneira tão visceral, que se tornou parte essencial da minha identidade e verdade mais profunda! Quando Sara, Mateus e Pedro vieram ao mundo físico, pois já existiam em nosso coração, e cremos, no coração de Deus, trouxeram uma alegria indescritível! É como se a felicidade que já vivíamos expandisse a novos patamares. Parecia que toda a realidade havia sido ainda mais iluminada, e tudo adquiriu um novo sentido. A vida valia muito mais ser vivida!

Uma oração que eu sempre fiz foi pedir a Deus jamais passar pela experiência de perder algum filho! Sempre disse que seria uma dor por demais insuportável e que eu não seria capaz de dar conta! Sempre senti necessidade de expressar esse pedido. Hoje, retomando a história das mães que perderam seus filhos e que são inúmeras na minha ancestralidade materna e paterna, me parece que eu já pressentia esse padrão familiar. A vida toda fiz essa oração como que pedindo a Deus um salvo conduto, uma mudança de curso do rio do destino. Não seria possível que Deus me pedisse para suportar essa dor!

E eis que no final dos anos 2019 e 2020, dois dos nossos filhos tiveram uma experiência de quase morte! Sim, Deus me concedeu passar pela prova de Abraão e nos pediu nossos Isaacs. E realmente houve momentos em ambas experiências em que senti a dor da quase morte dos nossos filhos, da total incerteza. Houve momentos em que eu nem sentia chão sob os pés, momentos de total falta de controle e necessidade de abandono total em Deus! A sensação de estar diante de um abismo sem paraquedas! E só me restava abrir os braços e me lançar. Fui literalmente conduzida à minha Finisterra, ao fim de mim mesma. E a sensação de lançar-me no escuro, de caminhar sobre as águas, de fechar os olhos, segurar na mão de Deus e somente me deixar conduzir é de total libertação!

Fui levada a experimentar o vislumbre da experiência mais dolorosa e temida por mim. Percebi que o maior sofrimento é o lutar contra, é o tentar controlar o incontrolável. Quando verdadeiramente entreguei e confiei que, independente de qualquer desfecho, tudo estaria bem, comecei a experimentar a paz. A paz não é ausência de dor, medo ou tristeza; tampouco é resultado de qualquer circunstância externa. Mas, provém de um coração que se permite experimentar a confiança em qualquer situação, que espera e crê não estar só. E que, mesmo nas noites escuras, há uma Presença amorosa, acolhedora, que me ampara e aconchega em caloroso abraço de amor! Não importa o que aconteça, sempre posso acessar essa paz que é gratuita, que é graça!

Há uma oração que, desde a primeira vez que ouvi, me tocou profundamente… Da Oração Eucarística VII:

Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar, vós nos amastes de modo admirável: pois vosso Filho o Justo e Santo entregou-se em nossas mãos, aceitando ser pregado na cruz.

Quando nos deparamos com a dor, com a desolação, com a impotência diante de situações de sofrimento, muitas vezes nos sentimos assim: perdidos, incapazes, desorientados. É quando nos encontramos no fundo do poço, na noite escura, que percebemos que não temos controle de nada, absolutamente nada, e somente quando nos rendemos à graça, ao que nos transcende, é que conseguimos nos abrir à luz, ao amor que sempre esteve, que sempre está aqui, disponível e abundante.

De onde menos espero, surge a luz, surge a força. Recursos nos são dados exatamente no momento presente. Não há como dar conta de preocupar-se com o futuro, com o amanhã, e nem com o minuto seguinte. Mas, se respiro no aqui e agora o amor que está e que é, recebo a luz e a força para o próximo passo, ou para a próxima respiração. Podemos esperar pela graça de cada instante, de cada respiração, do aqui e agora! Hoje, a graça que peço é de estar desperta para perceber e acolher a graça de respirar aqui e agora, o momento presente!

Acredito que o Amor, que tudo crê, tudo espera e tudo suporta, me conduz, habita e transforma… mesmo que seja a transformação e cura de laços de destino!


Ana Maria Andreazza é leiga, pertencente à Comunidade de Vida Cristã (CVX), comunidade Fé e Vida, Fortaleza (CE).

Imagem: Ligia de MedeirosAzulejo dos Vasos Comunicantes revisitado
[Instagram | site]

Comunidade de Vida Cristã (CVX) Espiritualidade cristã Leigas e leigos

Ignatiana Visualizar tudo →

IGNATIANA é um blog de produção coletiva, iniciado em 2018. Chama-se IGNATIANA (inaciana) porque buscamos na espiritualidade de Inácio de Loyola uma inspiração e um modo cristão de se fazer presente nesse mundo vasto e complicado.

2 comentários Deixe um comentário

  1. Obrigada por partilhar essa dura experiência, com tanta delicadeza. Que o Bom Deus continue abençoando muito sua família, tão querida! Bjs

    Curtir

  2. Querida Ana
    Forte experiência!
    Ao finalizar a leitura quero te abraçar!

    Maria Inés Saadi de Tozatto
    Comunidade Nossa Senhora da Luz, Rio de Janeiro

    Curtir

Deixe uma resposta para Inés Tozatto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: