O joio e o trigo

Simone Furquim Guimarães

Mateus 13,24-30

A leitura do Evangelho hoje trata da parábola sobre o joio e o trigo.

O Evangelho de Mateus está em consonância com o tema de hoje que trata da Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe porque este evangelho foi escrito pensando justamente na sua ekllesia; ou seja, na comunidade de cristãos e de cristãs reunida; pensando em animar e orientar a igreja para a missão, inclusive diante dos anseios e desafios de seu tempo. Por isso, é considerado pela igreja nascente como o Evangelho mais completo e organizado.

No capítulo 13, Jesus está em missão pela Galiléia e profere aqui 7 discursos, 7 parábolas para falar do Reino dos Céus.

Na parábola sobre o joio e o trigo, Jesus ensina que devem viver e crescer juntos até o tempo da colheita. Na colheita, primeiro será colhido o joio, depois o trigo e este será recolhido no celeiro.

Fomos acostumados a entender que o celeiro é o Reino dos Céus, que está preparado para nós, e que este acontece somente no fim dos tempos, para acontecimento no futuro. Mas a comunidade de Mateus nos surpreende, pois nos mostra que o Reino acontece agora. Jesus já havia anunciado: O Reino dos Céus chegou!

Jesus ensina em forma de parábolas. E nela dá exemplos simples, fala de campo, de colheita, mas não é de fácil entendimento. Somente os pequeninos compreendem. Compreendem porque já vivem o Reino dos Céus em suas vidas. Aprendemos com os pequeninos a prática da solidariedade, o apoio mútuo e a luta por justiça.

Olhar o Reino dos Céus como algo a ser conquistado para o futuro é perigoso, pois, na nossa vã ideia, podemos querer arrancar tudo que achamos ser joio para viver na pureza e na perfeição, como os fariseus faziam, pois se consideravam perfeitos e excluíam a multidão do plano de salvação de Deus.

A parábola nos ajuda a enxergar a presença de um Reino na própria história humana, no meio do conflito, das perseguições do império Romano e da liderança da religião judaica. A história humana é o campo. E neste campo já temos os frutos do Reino. São todos e todas que lutam por justiça social.

Por isso, pensar o Evangelho de Mateus nessa moldura de se viver como igreja é importante porque estamos também pensando em nossa vivencia como igreja da américa-latina e caribe. Nós queremos levar nosso grito, nossos anseios de se viver como discípulos ‘’missionários em saída’’, assim como Jesus, construindo e vivendo o Reino desde agora.

Que nossas igrejas aprendam a viver o Reino dos Céus em cada comunidade, produzindo frutos bons, que cresçam e espalhem no campo da história.


Ouça no Podcast Ignatiana


Simone Furquim Guimarães é mestre em Teologia na linha bíblica. Tem experiência na área de Leitura Popular da Bíblia no Centro de Estudos Bíblicos (CEBI/Planalto Central).


Esta reflexão bíblica foi originalmente apresentada no Programa de Justiça e Paz, produzido pela Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília, que vai ao ar todo sábado, às 11:00, na Rádio Nova Aliança.

Desde outubro de 2020, também disponível no podcast Ignatina.

Palavra de Deus

Ignatiana Visualizar tudo →

IGNATIANA é um blog de produção coletiva, iniciado em 2018. Chama-se IGNATIANA (inaciana) porque buscamos na espiritualidade de Inácio de Loyola uma inspiração e um modo cristão de se fazer presente nesse mundo vasto e complicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: