Dar-se aos irmãos é dar-se a Cristo

Preparação orante para a festa de Santo Alberto Hurtado
Quarto dia

Texto de Santo Alberto Hurtado

Sabemos apenas que o dom de nós mesmos é necessário. No meio da nossa entrega criativa e generosa, aprendamos a descansar na ternura dos braços do Pai. Continuemos para diante, empenhemo-nos totalmente, mas deixemos que seja Ele a tornar fecundos, como melhor Lhe parecer, os nossos esforços.

Evangelii gaudium, 279

Seria perigoso, no entanto, sob o pretexto de guardar o contato com Deus, refugiar-nos numa preguiça sonolenta. Entra no plano de Deus ser espremidos… A caridade urge-nos de tal maneira que não podemos rechaçar o trabalho: consolar um triste, ajudar um pobre, um enfermo que visitar, um favor que agradecer, uma conferência a fazer; dar um aviso, fazer uma diligência, escrever um artigo, organizar uma obra; e tudo isso acrescentado aos deveres cotidianos. Se alguém começou a viver para Deus em abnegação e amor pelos outros, todas as misérias marcarão um encontro na sua porta. Se alguém teve êxito no apostolado, as ocasiões de apostolado multiplicar-se-ão para ele. Se alguém cumpriu bem as responsabilidades ordinárias, tem que estar preparado para aceitar as maiores. Assim a nossa vida e o zelo apostólico conduzem-nos a uma marcha rapidamente acelerada que nos desgasta, sobretudo porque não nos dá tempo para reparar as nossas forças físicas ou espirituais… e um dia chega em que a máquina se rompe. E onde nós acreditávamos ser indispensáveis, põe-se outro em nosso lugar!!
Contudo, podíamos recusar? Não era a caridade de Cristo que nos urgia? E, dar-se aos irmãos não é acaso dar-se a Cristo? Quanto mais amor se tem, mais se sofre: ainda nos recusando mil oferecimentos, a gente fica repleto de coisas e não nos permanece o tempo de encontrar-nos a nós mesmos e de encontrar Deus. Doloroso conflito de uma nobre busca: a do plano de Deus, que temos que realizar nos nossos irmãos; e a busca do mesmo Deus, que desejamos contemplar e amar. Conflito doloroso que não se pode resolver senão na caridade que é indivisível.
(…)
Depois da ação, é preciso voltar continuamente à oração para encontrar-se a si mesmo e encontrar Deus; para dar-se conta, sem paixão, se em verdade caminhamos no caminho divino, para escutar de novo o chamado do Pai, para sintonizar com as ondas divinas, para despregar as velas, segundo o sopro do Espírito. Os nossos planos de apostolado necessitam de controle, e tanto maior quanto somos mais generosos. Quantas vezes queremos abraçar demasiado, mais do que podem conter os nossos braços!


Excerto do texto “Sempre em contato com Deus” (Reflexão pessoal escrita em novembro de 1947) [texto original]

Leitura inspiração

«Nem todo aquele que me diz “Senhor, Senhor”, entrará no Reino do Céu. Só entrará aquele que põe em prática a vontade do meu Pai, que está no céu.

Naquele dia muitos me dirão: “Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos tantos milagres?” 23 Então, eu vou declarar a eles: Jamais conheci vocês. Afastem-se de mim, malfeitores!»

«Portanto, quem ouve essas minhas palavras e as põe em prática, é como o homem prudente que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, os ventos sopraram com força contra a casa, mas a casa não caiu, porque fora construída sobre a rocha.

Por outro lado, quem ouve essas minhas palavras e não as põe em prática, é como o homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, os ventos sopraram com força contra a casa, e a casa caiu, e a sua ruína foi completa!»

Quando Jesus acabou de dizer essas palavras, as multidões ficaram admiradas com o seu ensinamento, porque Jesus ensinava como alguém que tem autoridade, e não como os doutores da Lei.

Mateus 7, 21-29
Reflexão

Santo Alberto Hurtado, santo contemporâneo da Companhia de Jesus, encarnou o ideal inaciano de ser “contemplativo na ação”.

— Como a minha oração (ou a falta dela) tem refletido nas minhas ações?


Preparação orante para a festa de
SANTO ALBERTO HURTADO
IntroduçãoIIIIIIIVVVIVII

Espiritualidade cristã Jesuítas Justiça e Paz

Ignatiana Visualizar tudo →

IGNATIANA é um blog de produção coletiva, iniciado em 2018. Chama-se IGNATIANA (inaciana) porque buscamos na espiritualidade de Inácio de Loyola uma inspiração e um modo cristão de se fazer presente nesse mundo vasto e complicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: