Não tenham medo

Simone Furquim Guimarães

Não tenham medo.
Eu sou o primeiro e o último.

Ap 1,17

A Palavra de Deus é luz, é força, é palavra curadora para nossa realidade hoje. Realidade de medo, mas também de luta e resistência, pois é conforto e esperança para vencermos a guerra contra o Vírus do pânico e da morte.

O povo da Bíblia viveu experiências semelhantes, pois viveram em circunstâncias que lhes trouxeram muito medo e desespero, mas também nos ensinaram que não devemos perder a virtude da esperança por dias melhores. Diante do mal que estamos vivendo, podemos aprender com eles, pois por meio deles, Deus se revelou: “Eu Sou, Eu Estou e caminho convosco”. E Jesus é a manifestação deste Deus. É o Emanuel, que significa justamente o Deus que está conosco.

As primeiras comunidades cristãs compreenderam a manifestação deste Deus. Os livros do Novo Testamento é literatura de esperança. Neles, Deus se manifesta para encorajar o povo sofrido.

No Evangelho de Mateus, Deus se manifestou desde a anunciação de seu Filho Jesus. Ele se manifestou em sonho a José e o encorajou, dizendo: “não tenha medo”. Ele encorajou José diante dos desafios que iria enfrentar: “vai nascer o Emanuel – Deus que está conosco” (Mt 1,18-25).

Deus se manifestou e animou as comunidades cristãs que viveram perseguição e morte, expressas no livro do Apocalipse. O livro do Apocalipse é literatura de esperança diante do medo: “Não tenham medo. Eu sou o primeiro e o último” (Ap 1,17).

A Palavra de Deus nos ensina que vencemos o medo e o inimigo quando seguimos Seu projeto. E o projeto de Deus para a humanidade se fundamenta no amor, na solidariedade, na misericórdia e compaixão.

A Campanha da Fraternidade deste ano está em consonância com a nossa realidade. A nossa missão neste período da quaresma e de quarentena é alimentarmos o sentimento do amor; conforme a Primeira Carta de São João: “amar a Deus é amar o próximo” (1 Jo 4,21). Como podemos amar o próximo hoje? Durante essa quarentena, devemos ter compaixão de nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis; aqueles que não podem se defender do Coronavírus, pois necessitam de renda para subsistir. Se ficarmos em casa, estaremos contribuindo para que as demais pessoas tenham saúde. É a atitude do Bom Samaritano na realidade de hoje. Portanto, o apelo é para que os empregadores tenham compaixão por seus funcionários e os deixem ficar em casa, cuidando de si e dos seus entes queridos.

Que o Deus que animou os hebreus escravos no Egito, animou o povo de Israel, durante a escravidão na Babilônia, animou o povo oprimido e sofrido diante da dor, da morte, do desgoverno; seja força consoladora e nos livre do mal que existe hoje.
Amém!


Simone Furquim Guimarães é mestre em Teologia na linha bíblica. Tem experiência na área de Leitura Popular da Bíblia no Centro de Estudos Bíblicos (CEBI).

Esta reflexão bíblica foi originalmente apresentada no Programa de Justiça e Paz, produzido pela Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília, que vai ao ar todo sábado, às 11:00, na Rádio Nova Aliança.

Desde outubro de 2020, também disponível no podcast Ignatina.

Ilustração de Luis Henrique – Varginha-MG.

Palavra de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: