Não tenham medo

Simone Furquim Guimarães

Não tenham medo.
Eu sou o primeiro e o último.

Ap 1,17

A Palavra de Deus é luz, é força, é palavra curadora para nossa realidade hoje. Realidade de medo, mas também de luta e resistência, pois é conforto e esperança para vencermos a guerra contra o Vírus do pânico e da morte.

O povo da Bíblia viveu experiências semelhantes, pois viveram em circunstâncias que lhes trouxeram muito medo e desespero, mas também nos ensinaram que não devemos perder a virtude da esperança por dias melhores. Diante do mal que estamos vivendo, podemos aprender com eles, pois por meio deles, Deus se revelou: “Eu Sou, Eu Estou e caminho convosco”. E Jesus é a manifestação deste Deus. É o Emanuel, que significa justamente o Deus que está conosco.

As primeiras comunidades cristãs compreenderam a manifestação deste Deus. Os livros do Novo Testamento é literatura de esperança. Neles, Deus se manifesta para encorajar o povo sofrido.

No Evangelho de Mateus, Deus se manifestou desde a anunciação de seu Filho Jesus. Ele se manifestou em sonho a José e o encorajou, dizendo: “não tenha medo”. Ele encorajou José diante dos desafios que iria enfrentar: “vai nascer o Emanuel – Deus que está conosco” (Mt 1,18-25).

Deus se manifestou e animou as comunidades cristãs que viveram perseguição e morte, expressas no livro do Apocalipse. O livro do Apocalipse é literatura de esperança diante do medo: “Não tenham medo. Eu sou o primeiro e o último” (Ap 1,17).

A Palavra de Deus nos ensina que vencemos o medo e o inimigo quando seguimos Seu projeto. E o projeto de Deus para a humanidade se fundamenta no amor, na solidariedade, na misericórdia e compaixão.

A Campanha da Fraternidade deste ano está em consonância com a nossa realidade. A nossa missão neste período da quaresma e de quarentena é alimentarmos o sentimento do amor; conforme a Primeira Carta de São João: “amar a Deus é amar o próximo” (1 Jo 4,21). Como podemos amar o próximo hoje? Durante essa quarentena, devemos ter compaixão de nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis; aqueles que não podem se defender do Coronavírus, pois necessitam de renda para subsistir. Se ficarmos em casa, estaremos contribuindo para que as demais pessoas tenham saúde. É a atitude do Bom Samaritano na realidade de hoje. Portanto, o apelo é para que os empregadores tenham compaixão por seus funcionários e os deixem ficar em casa, cuidando de si e dos seus entes queridos.

Que o Deus que animou os hebreus escravos no Egito, animou o povo de Israel, durante a escravidão na Babilônia, animou o povo oprimido e sofrido diante da dor, da morte, do desgoverno; seja força consoladora e nos livre do mal que existe hoje.
Amém!


Simone Furquim Guimarães é graduada em Teologia. Tem experiência na área de Leitura Popular da Bíblia no Centro de Estudos Bíblicos (CEBI).

Esta reflexão bíblica foi originalmente apresentada no Programa de Justiça e Paz, produzido pela Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília, que vai ao ar todo sábado, às 11:00, na Rádio Nova Aliança.

Ilustração de Luis Henrique – Varginha-MG.

Palavra de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: