Comunidade inaciana: Amigos, amigas no Senhor

Pe. Adroaldo Palaoro, SJ

No encontro com minha comunidade
descubro o meu rosto

Apaixonado por Deus e pela atuação d’Ele no coração das pessoas, S. Inácio sonha em fazer os outros participarem plenamente deste amor, pelo qual se deixou invadir por inteiro, aceitando caminhar longamente com cada um, para que, ao final, abrisse o coração à ação de Deus.

A exemplo de Jesus que forma seus doze apóstolos e os envia a evangelizar, S. Inácio emprega todos os esforços para constituir uma comunidade de ideal e de missão.

O fundamento é que Deus Criador é Amor Trinitário, é comunhão de Pessoas (Pai-Filho-Espírito Santo). Como criaturas, fomos atingidos pela marca trinitária de Deus.

Como homem e como mulher, trazemos esta força interior que nos faz “sair de nós mesmos”  e criar laços, fortalecer a comunhão…

O ser humano não é feito para viver só; ele necessita con-viver, viver-com-os-outros.

A fraternidade, a vida em comum se mede pelo amor, por atos e gestos de doação, por vivências de comunhão, por experiências reais de partilha…

O ser humano é um ser constitutivamente aberto, essencialmente em referência a outras pessoas: estabelece com os outros uma interação, entrelaça-se com eles, e forma um nós: a comunidade.

As duas realidades – pessoa e comunidade – não se opõem, mas se condicionam e se complementam.

           “A pessoa faz a comunidade e a comunidade faz a pessoa”

O sentido da vida em comum é um dom de Deus, que nos foi dado a todos.

O sentido do termo comunidade nasce da experiência profunda e radical da vocação cristã, à qual foram chamados os seus membros pelo batismo. A comunidade é uma experiência concreta de unidade no amor e na ação; ela será o sacramento do amor de Cristo a todos os seus membros.

O sentido da vida em comum é um dom de Deus, que nos foi dado a todos.

O fundamento é que Deus Criador é Amor Trinitário, é comunhão de Pessoas (Pai-Filho-Espírito Santo). Como criaturas, fomos atingidos pela marca trinitária de Deus.

Como homem e como mulher, trazemos esta força interior que nos faz “sair de nós mesmos”  e criar laços, fortalecer a comunhão… A fraternidade, a vida em comum se mede pelo amor, por atos e gestos de doação, por vivências de comunhão, por experiências reais de partilha…

O ser humano não é feito para viver só; ele necessita con-viver, viver-com-os-outros; ele é um ser constitutivamente aberto, essencialmente em referência a outras pessoas: estabelece com os outros uma interação, entrelaça-se com eles, e forma um nós: a comunidade.

As duas realidades – pessoa e comunidade – não se opõem, mas se condicionam e se complementam.

           “A pessoa faz a comunidade e a comunidade faz a pessoa”

O termo comunidade faz referência a algo “comum”. É aquilo cujo modo de ser é comum. A palavra “comum” vem do latim, “communis”, palavra composta de “com/cum” e “munis”. “Com/cum” significa: com, junto com, um ao lado do outro, unido, junto. “Munis” significa: estar disposto, pronto, preparado para o serviço. O “múnus” é, portanto, o melhor de nós mesmos, o que de mais nobre e precioso brota de nossa interioridade e que compartilhamos quando vivemos uma sadia relação com os outros.

Estar juntos, unidos nessa partilha do melhor de nós mesmos, da maturidade e do crescimento, da autoridade e da identidade pessoal é ser “comum”. Nisso se expressa a comunidade.

A comunidade inaciana é uma comunidade que vive o espírito dos Exercícios Espirituais, para buscar e encontrar a Vontade de Deus na missão (serviço); ela é o âmbito adequado para chegar a personalizar a e a vivê-la em con-vocação e  co-responsabilidade com os outros; ela é o lugar extremamente válido para a formação, na espiritualidade inaciana, de cristãos comprometidos com sua fé e com a evangelização de seu meio.

A personalidade inaciana tem que ser também promovedora de “corpo” –  que para S. Inácio é a experiência da comunidade.

Uma pessoa inaciana não é uma “personalidade isolada”  mas aberta à comunhão e partilha com outros.

Uma comunidade inaciana não é um fim em si mesma. Ela deve ser comunidade aberta, apostólica, reunir para o serviço todos os que, nas pegadas de Inácio, querem  se unir para trabalhar com Jesus, seguindo-o de perto, na vocação específica de cada um(a).

Uma comunidade inaciana é uma comunidade “conspiratória”.

Conspiração,  palavra bonita de origens esquecidas.

Conspirar, com-inspirar, respirar com alguém, juntos.

Conspiradores: respiram o mesmo ar, o mesmo sonho, a mesma utopia do Reino.

É esta a origem e a finalidade de cada comunidade inaciana: ser companheiros(as) de Jesus na sua missão, associar-se para responder melhor ao chamado do Rei Eterno, viver como comunidade de discípulos(as) no mundo.

O caráter apostólico, o senso de universalidade e o enfoque eclesial, tão característicos da tradição ina-ciana, pedem uma expressão comunitária que, mesmo respeitando o princípio da encarnação em realida-des concretas e diversas, abre a pessoa para os desafios e problemas do mundo e da Igreja, impulsionando-a a ultrapassar os limites geográficos, afetivos, sociais, de idade e de liderança.

Como viver relações comunitárias sadias e reconstrutoras?

Abrindo espaço para a “presença humanizadora” de Jesus na comunidade. Assim, a vida d’Ele vai se fazendo vida em cada membro. O Jesus contemplado como o Outro vai modelando a identidade de cada pessoa, reforçando vínculos e gerando uma comunidade verdadeiramente “cristificada”.

Para orar

Textos bíblicos:
Col. 3,12-17   Rom.15,1-9   1Cor 12,12-30 

Na oração: 

Olhar cada uma das pessoas da sua comunidade; dá-se conta do que sente para com cada uma delas, como as trata, como reage diante delas… Vê-las com os olhos do coração.

Contemplar o rosto de cada um da sua comunidade, sem exigir-lhe nada em seu modo original de ser, de atuar, de pensar, de falar…

Observar e descobrir, em cada membro da sua comunidade, seus valores, suas riquezas, sua profundidade. Lentamente, mas com um olhar sereno e  profundo… tentar descobrir “algo mais” presente em cada pessoa..    

Veja aqui o vídeo com a reflexão de padre Adroaldo: [link]


Adroaldo Palaoro é padre jesuíta, atua no ministério dos Exercícios Espirituais.

Espiritualidade cristã Padre Adroaldo Palaoro, SJ

Ignatiana Visualizar tudo →

IGNATIANA é um blog de produção coletiva, iniciado em 2018. Chama-se IGNATIANA (inaciana) porque buscamos na espiritualidade de Inácio de Loyola uma inspiração e um modo cristão de se fazer presente nesse mundo vasto e complicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: