Não aos plásticos

Luiz Fernando Krieger Merico

Mística do século XXI — programa nº33

Reflexões a partir das encíclicas
Laudato si’ e Fratelli tutti

O que as encíclicas Laudato Si’ e Fratelli Tutti têm a ver com os plásticos em nossa sociedade? Bem, vou tentar responder a esta questão. Os plásticos são todos derivados do petróleo e poderíamos dizer que são subprodutos da indústria de energia, de combustíveis. O petróleo – infelizmente – segue sendo nossa principal fonte de energia, e os plásticos fazem parte desta cadeia de produção, que é extremamente danosa ao ambiente. Na indústria petroquímica, onde os plásticos são produzidos, eles saem baratos porque estão associados à própria produção de gasolina, diesel, querosene. Como se produz muita gasolina, há muito material para plásticos, o que faz com eles sejam muito baratos. Isto explica por que, em uma grande maioria das situações, é muito mais barato usar plástico novo, mais plástico, do que reciclar. Com isto, o plástico, um dos vilões do século XXI, vai se acumulando no ambiente.

Na América Latina, Brasil incluído, são reciclados menos de 5% dos resíduos. O que equivale a dizer que mais de 95% dos resíduos se acumulam no ambiente. Isto mesmo: se acumulam, porque os plásticos não são degradáveis, não se desfazem. Ficarão no ambiente por gerações, gerações e gerações… centenas e centenas de anos. Muitos se quebram formando os microplásticos, que estão inundando nossos oceanos. Em vastas regiões dos oceanos, as águas se podem descrever como uma sopinha de plásticos, tal é a quantidade de microplásticos presentes. É claro que tudo isto acaba voltando para nós mesmos na forma de contaminação, destruição da biodiversidade e de ecossistemas, doenças, produtos tóxicos, volumes gigantescos de lixo, custos econômicos etc. Os plásticos nos oceanos vão quadruplicar até 2040, se nada for feito. Caminhamos para ter muito mais plásticos do que vida nos oceanos muito brevemente.

Como sempre, as populações mais pobres são mais atingidas pelos plásticos, pela falta de saneamento. O volume de plásticos que consumimos é tão grande que não há estrutura possível capaz de reciclar tudo isso, principalmente em países em desenvolvimento. A solução de queimar o plástico é o que chamamos de emenda pior que o soneto: a queima de plásticos produz uma infinidade de gases tóxicos (dioxinas, furanos) difíceis de controlar e que são de um potencial devastador para a saúde humana, além de um custo elevadíssimo.

Muitos países já têm avançado para um melhor controle dos plásticos. O Chile, por exemplo, já proíbe o uso de sacolas plásticas há dois anos e funcionando muito bem. Todos se acostumaram a irem com suas próprias sacolas reusáveis ao supermercado e evitar assim as sacolinhas plásticas que tanto mal fazem ao planeta a nós mesmos. Neste ano, ainda no Chile, entrou em vigor as normas que proíbem as outras embalagens plásticas no comércio, tal como envases de comida para delivery.

A solução começa por proibir plásticos de um só uso, aqueles que se usa uma vez e se joga fora. Isto envolve as sacolas plásticas e as garrafinhas PET, de água e refrigerante. Temos que falar abertamente sobre o gigante problema dos plásticos no mundo. E uma parte fundamental da solução passa por nós mesmos: temos que aprender a dizer não, dizer não de maneira clara e vigorosa aos plásticos. Em um ambiente comercial, recuse o plástico e outras embalagens desnecessárias e comunique isto claramente. Há que se criar uma corrente de pessoas que se recusam a destruir o planeta de forma descompromissada. Mudar o consumo nos leva a mudar o funcionamento das próprias cadeias produtivas, e aí começam a aparecer soluções mais sustentáveis. Até o dia que consigamos normas locais, nacionais e internacionais para evitar o entupimento contínuo de nossos ecossistemas com resíduos que não se degradam.

A encíclica Laudato Si’ nos propõe cuidar da casa comum. A Fratelli Tutti nos propõe a fraternidade universal. A irresponsabilidade dos plásticos é incompatível com ambas.

Nossas reflexões sobre a mística do século XXI, a partir das encíclicas Laudato Si e Fratelli Tutti, sempre estão presentes aqui, no blog Ignatiana.


Ouça no Podcast Ignatiana

Encíclicas ecofraternais do Papa Francisco

Laudato si’, sobre o cuidado da casa comum (2015)
Fratelli tutti, sobre a fraternidade e a amizade social (2020)

Luiz Fernando Krieger Merico é graduado em Geologia (UFPR), mestre em Análise Ambiental (UNESP), doutor em Geografia (USP), possui aperfeiçoamento no Schumacher College (Inglaterra) em Economia Ecológica. É autor do livro A transição para a sustentabilidade.

Ecologia Mística do século XXI

Ignatiana Visualizar tudo →

IGNATIANA é um blog de produção coletiva, iniciado em 2018. Chama-se IGNATIANA (inaciana) porque buscamos na espiritualidade de Inácio de Loyola uma inspiração e um modo cristão de se fazer presente nesse mundo vasto e complicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: