Papa Francisco e os líderes do Sudão do Sul

Alex Pin *

« Estou pedindo a vocês como irmão que fiquem em paz.
Estou pedindo a vocês com o coração »
,
disse Francisco.

Conta-se que em mapas antigos quando não se tinha ainda ideia da geografia atual lá pelos lados da Argentina de hoje estava escrito em latim fines terrae, “os confins do mundo”. O Papa Francisco aludiu a essa imagem para dizer que os cardeais foram buscar o Papa precisamente lá. Ei-lo então na Sede romana.

Metáfora sugestiva por diversos lados. Primeiramente nos surpreendeu que o até hoje pensado como centro cultural do mundo, a Europa, esquece todos os países e vai lá no extremo Sul do continente Sul para escolher o bispo de Roma. Que Imperador romano imaginaria um dia que Roma escolhesse algum bárbaro de região longínqua para ocupar-lhe o posto? Agora não se trata do Imperador romano, mas do Pontífice romano que presidirá na caridade a Igreja católica, universal de nome e de realidade. E alguém dos subúrbios geográficos do mundo está lá. Admirável!

Além disso, o Papa nomeou-se a si Francisco com enorme humildade e quase assombro, ao olhar para a corte de traços renascentistas que o cercava no rito da eleição. No meio daquele vermelho púrpura aparece alguém que até então frequentava com simplicidade as periferias de Buenos Aires. A mídia tem chamado a atenção para marca tão evangélica do Papa.

Não tinha incorporado na conduta diária comportamentos comuns em purpurados. Andava de metrô, visita as periferias, convivia com pessoas pobres e simples. Vestia-se e alimentava-se de maneira bem próxima delas. Agora ocupa o lugar mais elevado na hierarquia católica. Que esperar de tal mudança?

2019-Papa_e_lideres_do_Sudão

Pois foi esse pastor do fim do mundo que fez algo inédito para o métier papal, ajoelhou-se e beijou os sapatos de líderes em conflito do Sudão do Sul — e que ironia, o do sul. Em momento algum da história católica — iniciada, talvez, com o papa Leão, Magno — se imaginou um papa beijando os pés de pessoas negras, africanas. 

Ah! Francisco.

O ato, provavelmente, será descaracterizado pela grande mídia. Não alcançará mais que a exterioridade do ato, sobretudo, tendo ocorrido logo após o episódio em que o papa recusa ter a mão beijada por devotos. Mas, o sentido mais profundo da atitude de Francisco reporta à celebração da vigília do sábado santo que se aproxima. É a kenosis. Aquela mesma de Jesus.

 


* Alex Pin é professor de filosofia.

 

Veja também

 

 

Justiça e Paz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: