Tag: Medo

A arte de enfrentar tempestades

Também a Igreja se mostra, muitas vezes, presa ao medo, matando seu espírito profético. Uma Igreja medrosa torna-se conivente com a cultura da violência e da morte. Enquanto mais teme, mais se fecha e se entrincheira atrás de normas, doutrinas, ritos...; e quanto mais se entrincheira, mais frágil se torna.

— Pe. Adroaldo Palaoro, SJ

Leia mais A arte de enfrentar tempestades

A rasga-mortalha e o pássaro Roca: entre o medo e a fantasia

Ontem minha rede começou a piar. Faltava azeitar a atracação. Instalado o modo silêncio no ambiente, voltei para o meu sossego e fiquei imaginando que tipo de ave poderia fazer barulho semelhante ao de rede. Como minha cabeça é território fértil, o pensamento voltou logo para a infância, tempo em que eu ouvia histórias sobre o Pássaro Roca e a Rasga-Mortalha.

Diário de um desespero – ou quase - LXI

— João Carlos Pereira

Leia mais A rasga-mortalha e o pássaro Roca: entre o medo e a fantasia

Os mortos que espiam e os que assombram – II (final)

Não há, eu entendo, uma escala de medos, mas se tivesse de classificar os meus, ia por ordem. Um: na infância, o fura-dedo. Era um homem do setor de erradicação da malária, que passava nas casas, à tarde, avisando que, à noite, voltaria para coletar sangue. Eu tinha tanto horror de uma reles furada de alfinete, que corria para me esconder no galinheiro de casa e vinha de lá debaixo de vara. Condução coercitiva. Uma vergonha para a espécie humana.

Diário de um desespero – ou quase - XXXV

João Carlos Pereira

Leia mais Os mortos que espiam e os que assombram – II (final)

São tantos medos, meu Deus…

O Marajó deve ser um repositório de histórias que precisam ser contadas. Meu amigo Breno Castro já me narrou algumas, mas ali é lugar para sentar com um gravador, para quem usa essa técnica, e recolher tudo. Eu ainda me valho do meu caderno de anotações. A ilha é um ninho primoroso, precioso, rico de fatos reais, como as dos fazendeiros que a habitaram, ou vivenciados pela gente simples de lá. Não ouso escrever a palavra “imaginados”, porque com assombração não se brinca, nem dela se deve duvidar.

Diário de um desespero – ou quase - XXVII

João Carlos Pereira

Leia mais São tantos medos, meu Deus…