Romaria em defesa da democracia

Dom Reginaldo Andrietta *

Estamos vivendo no Brasil, um tempo de profundas insatisfações populares com relação à realidade econômica, social e política. Só não reclamam os que estão lucrando como nunca antes: os banqueiros, os grandes empresários, os que ganham salários altíssimos no serviço público e privado, e os que se enriquecem de maneira desonesta. O clamor de nosso povo, no entanto, se não está engasgado na garganta, está evidenciado nas manifestações de muitíssimos setores sociais.

Manifestações populares pacíficas são sinais de vitalidade democrática, pois o regime democrático se define pelo poder soberano do povo. Evidentemente, a democracia não se resume à possibilidade de manifestações livres e não se esgota em eleições, pois elas podem ser manipuladas pelos detentores de poder, a exemplo, de manifestações em favor de um regime militar ou de candidatos que enaltecem a ditadura. Estas são, no mínimo, contraditórias.

Diferentemente, porém, as manifestações cívicas espalhadas por nosso país, que defendem a ordem democrática e a justiça social, são muito necessárias. Afinal, a consigna oficial do Brasil, “ordem e progresso”, só será real, conforme diz nosso Hino Nacional, se os filhos e filhas desta nação não fugirem da luta pela justiça. Saibamos, portanto, valorizar todas as manifestações em favor do que é justo e democrático, inclusive as de caráter religioso, sem discriminações.

Aliás, nosso povo é profundamente religioso. Ao realizar, por exemplo, uma Romaria, apresenta súplicas a Deus em favor de necessidades que deveriam ser atendidas por gestores econômicos e políticos. Muitos pedem a Deus uma oportunidade de emprego. Os detentores de poderes econômicos, no entanto, estão “pouco se lixando” com a grande massa de desempregados. Importa-lhes o resultado de seus investimentos financeiros, que nutrem candidaturas políticas.

Jales, que se tornou notícia nacional nos últimos dias pela Farra no Tesouro em sua Prefeitura Municipal, deve se orgulhar, no entanto, por acolher nestes dias de profunda crise ética na gestão pública, o Simpósio O Combate à Corrupção nos 30 anos da Constituição Federal, e a 34ª Romaria Diocesana. Essa Romaria popular multitudinária, inspirou-se no ano passado, no tema das escravidões atuais, referindo-se aos graves problemas sociais que massacram nosso povo.

Neste ano, essa Romaria inspira-se na missão que Cristo confiou a seus discípulos de serem “sal da terra e luz do mundo”, ressaltando a responsabilidade, sobretudo dos cristãos leigos e leigas, na superação desses problemas sociais. Essa manifestação de fé popular tem, portanto, um perfil conscientizador. Quem ainda pensa que religião é ópio do povo se equivoca. Nossa fé cristã é libertadora e humanizadora. Nossa Romaria é, portanto, mobilizadora em defesa da vida.

Basta de violência! Esse “grito” da Campanha da Fraternidade deste ano, ecoa também nesta Romaria. Por meio dela nos comprometemos na defesa integral da vida desde a concepção. A vida do nascituro e de todos os que sofrem na miséria, no abandono e em todas as formas de escravidão, é sagrada. Sagrada, portanto, é nossa Romaria, pela qual nos manifestamos nesta Semana Nacional da Família, unidos em Cristo, em louvor a Maria, a favor de uma verdadeira democracia.

Jales, 15 de agosto de 2018.

 


* Dom Reginaldo Andrietta é Bispo Diocesano de Jales (SP).

Fé e Política

2 comentários Deixe um comentário

  1. O texto de Dom Reginaldo deixa-nos um belo recado no atual contexto que estamos vivendo. Enfatizo alguns trechos que apontam para isso.

    “Só não reclamam os que estão lucrando como nunca antes: os banqueiros, os grandes empresários, os que ganham salários altíssimos no serviço público e privado, e os que se enriquecem de maneira desonesta.”

    O Bispo fala das manifestações populares pacíficas são sinais de vitalidade democrática e ainda defende que as manifestações cívicas espalhadas por todo o país são muito necessárias porque defendem a ordem democrática e a justiça social.

    Deixa bem claro que “quem ainda pensa que religião é ópio do povo se equivoca. Nossa fé cristã é libertadora e humanizadora. Nossa Romaria é, portanto, mobilizadora em defesa da vida.”

    A Igreja em Saída do Papa Francisco precisa de muitos pastores como ele. Pastores “com cheiro de ovelha”, como disse Tânia no comentário anterior.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: