Categoria: Evangelho de Mateus

A luz que nos trans-figura

O resplendor da Transfiguração brilha no interior de cada um de nós; não nos vemos vazios por dentro porque no mais profundo de nós, na morada mais interior, está o “sol de onde procede uma grande luz” (Santa Teresa de Jesus).
Deixar-nos transfigurar. Somos seres de luz e nossa verdadeira transformação nasce de nosso interior.
Na Transfiguração, Jesus nos faz descobrir nosso verdadeiro ser, que vemos refletido n’Ele.

Leia mais A luz que nos trans-figura

Deserto, lugar do discernimento

O evangelista Mateus apresenta a estadia de Jesus no deserto como um tempo de lucidez, fazendo-nos perceber que a relação filial da qual Ele tinha tomado consciência, iluminou de tal maneira sua visão, que se tornara impossível confundir a Deus com os falsos ídolos que o tentador lhe apresenta: um deus em busca de um mágico e não de um Filho; um “deus” contaminado das vazias pretensões do pior da condição humana: ter, brilhar, ostentar poder, exercer domínio...

Leia mais Deserto, lugar do discernimento

Conversão verdadeira

A leitura do Evangelho proposta pela Igreja hoje é Mt16,13-19. Após um longo caminho de missão, Jesus e seus discípulos param para descansar na região de Cesareia de Felipe. Eles estavam próximos a uma fonte de água que brotava da pedra. A pedra que faz brotar água é considerada sagrada pelos habitantes daquele lugar, que…

Leia mais Conversão verdadeira

O labirinto do perfeccionismo

O evangelho deste domingo é continuação do discurso de Jesus sobre o Monte, onde apresenta o modo original de ser e de viver dos seus seguidores; trata-se da nova justiça do Reino, onde Jesus vai até às raízes mais profundas de nosso ser para ativar o amor ali presente; este amor, aberto, oblativo, gratuito..., é capaz de uma nova relação até com os inimigos, em profunda sintonia com o modo de agir do Pai, que ama a todos, bons e maus, pois todos são seus filhos e filhas.

Leia mais O labirinto do perfeccionismo

Justiça do Reino: “a mais sublime bondade”

É necessário dirigir nosso olhar a Jesus para que, na comunidade cristã, a instituição não seja mais importante que o Evangelho, nem que a Lei seja mais importante que a misericórdia. O Plano de Deus e a fé cristã são muito mais que uma adesão doutrinal, é humanizar-se para amar. “O cristianismo não é uma ética de mínimos de justiça, mas uma religião de máximos de felicidade.

Leia mais Justiça do Reino: “a mais sublime bondade”