Categoria: Comentário ao Evangelho

Comentários ao Evangelho do domingo, organizados pelos tempos litúrgicos.

Seguidores(as) do Cordeiro

Estamos no início de um novo ciclo litúrgico, o “Tempo Comum”, centrado no Evangelho de Mateus; mas, o relato deste domingo é tirado do evangelho de João, que começa com uma imagem forte de João Batista, retomando o motivo do domingo anterior (batismo de Jesus), que hoje é revelado como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Leia mais Seguidores(as) do Cordeiro

Ano Novo: presença visível do Deus da Paz

Novamente nos encontramos abrindo um Ano Novo: desejado, esperado, buscado...; estreamos e recomeçamos um novo tempo; ocasião privilegiada para aprofundar o sentido do tempo, no qual se desenrola nossa existência. Não podemos fazer a “travessia” em direção ao Novo Ano sem fazer uma reflexão sobre nós mesmos e examinar como estamos fazendo uso de algo tão importante e tão passageiro como o tempo.

Leia mais Ano Novo: presença visível do Deus da Paz

A “excitante” Noite do Natal

O evento do Nascimento de Jesus, o anúncio deste acontecimento e a resposta a este anúncio acontecem na noite, na pobreza, na pequenez. Alguém, na noite profunda, nasce para nós: agitam-se os acampamentos noturnos daqueles que aguardam o dia.
Na noite irrompe a luz, no silêncio ressoam o canto e a festa, na gruta surge a Vida.

Leia mais A “excitante” Noite do Natal

José, o Homem do Advento

Estamos já no centro do mistério da Encarnação. Os relatos da infância de Jesus, não são crônicas de acontecimentos, não são história no sentido que hoje damos à palavra. São teologia narrativa.
O relato do evangelho deste domingo nos revela que Deus dirige a história. Para isso se serve de pessoas eleitas. O relato do evangelho deste domingo nos revela que Deus dirige a história. Para isso se serve de pessoas eleitas.

Leia mais José, o Homem do Advento

Advento: cristificar os sentidos

O Evangelho de Mateus nos apresenta a chamada “prova messiânica”. João Batista, a partir do cárcere, envia emissários para perguntar a Jesus se é Ele o esperado ou se devem esperar um outro. Jesus não responde com alguns argumentos teológicos, nem com citações bíblicas, ou com alguns dogmas e doutrinas, mas remete os discípulos de João aos puros fatos, que podem ser “vistos e ouvidos”: “os cegos vêem, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados”.

Leia mais Advento: cristificar os sentidos