Leitura bíblica na ótica da negritude

Simone Furquim

Nesta semana em que celebramos o Dia da Consciência Negra, inspira-nos a fazer uma leitura bíblica na ótica da negritude. Começamos por entender que boa parte da história bíblica é localizada geograficamente numa região onde situa o povo negro: falamos, sobretudo, do Egito, lugar onde tivemos grandes momentos de experiências do povo de Israel, onde José, Maria e Jesus foram acolhidos quando Herodes perseguia o primogênito.

No Evangelho de Mateus 2,1-12, vamos ler o relato da visita dos magos ao recém-nascido, que certamente inspirou a criação do presépio. Poucos detalhes são dados, a não ser que pelos sonhos que tiveram, puderam preservar a vida de Jesus contra as ameaças do assassino Herodes. A leitura oficial não nos proporcionou saber a origem étnica dos magos, mas, a literatura popular, contada desde nossos ancestrais e nas festas de Folias de Reis, possibilitou-nos descobrir o nome de um dos magos, e que ele é negro, rei da Pérsia e que se chamava Belchior. Isto só foi possível, porque temos também acesso aos Evangelhos Apócrifos, que são tão antigos como os Evangelhos canônicos e são fontes tão sábias e verdadeiras quanto à primeira – a Bíblia.

Nos dois primeiros capítulos do Evangelho de Mateus temos, então, a Boa Notícia de que os povos negros fizeram parte da formação de Jesus e participaram de seu nascimento e de sua infância.
Mas, além da tarefa de pinçar personagens negras nos textos bíblicos, a proposta da Leitura bíblica na perspectiva da negritude é de buscar a Boa Nova para todos os negros e todas as negras que sentem na pele a INJUSTIÇA.
A palavra JUSTIÇA é a principal chave de leitura fornecida pelo Evangelho. Mateus fala sobre justiça várias vezes. Você verá que é o Evangelho que mais insiste no cumprimento da justiça.

O Evangelho insiste na questão da JUSTIÇA porque encontra várias categorias de pessoas que sofrem a injustiça e são marginalizadas, como os sem terra (5,1-5), desempregados (20,1-16), migrantes (2,13-23; 4,13-16.24-25), perseguidos (5,10-12; 23,13-32) e pobres (11,25-26; 6,25-34; 15,32; 25,31-46).

No tempo de Jesus, havia muitas leis que separavam as pessoas. As leis da pureza determinavam quem estava mais próximo de Deus e quem estava mais distante. Uma pessoa impura era eliminada do convívio social e novamente admitida mediante os rituais de purificação. Embora não faça parte da nossa cultura o sistema do puro e do impuro, ainda há muitas barreiras e preconceitos que separam e dividem as pessoas nos diversos ambientes sociais.
Um exemplo bíblico pode ser encontrado em Mateus 9,18-26. O sofrimento por que passa a mulher hemorroíssa, que sofre de um fluxo contínuo de sangue há 12 anos. Esse sofrimento é originário das injustiças da Lei judaica que a excluía da economia da salvação e a excluía da sociedade. Este contexto de exclusão gerava nas pessoas um profundo mal psíquico (depressão) que pode desencadear mal para o corpo.

Assim como esta mulher, que sofrera de saúde há 12 anos por descaso e preconceito religioso, muitas mulheres, sobretudo negras, em nosso país, também sofrem nas filas do sistema de saúde pública, morrem de hemorragias por descasos e por preconceitos dos próprios serviços de atendimento médico. Vimos esta cena com frequência e não sabemos dimensionar as dores físicas e da alma que assolam a comunidade negra, que são as maiores vítimas deste sistema falido em nosso país.

Estamos na semana da consciência negra, que nos impele a uma postura de refletir e se indignar face as inúmeras discriminações existentes em nossa sociedade, bem como sermos uma Boa Notícia para nossos irmãos negros e negras, estimulando em todo o país à tomada de consciência de cidadãs e cidadãos, ao empoderamento, à desconstrução de uma cultura embranquecida e de racismo presente nas estruturas de poder e econômico.


Simone Furquim Guimarães é graduada em Teologia. Tem experiência na área de Leitura Popular da Bíblia no Centro de Estudos Bíblicos (CEBI).

Palavra de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: